quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Saiba mais sobre a caixinha longa vida.

A TETRA PAK E O MEIO AMBIENTE
Os textos abaixo foram extraídos do site da Tetra Pak, sobre suas ações com o meio ambiente e a reciclagem de seus produtos.
A EMBALAGEM LONGA VIDA E SUAS MATÉRIAS PRIMAS
1- Polietileno
2- Tintas de impresión
3- Papel
4- Polietileno
5- Aluminio
6- Polietileno
A embalagem longa vida possui uma estrutura multicamadas que fornece a proteção ideal aos alimentos nela depositados. Ela é formada por três materiais: papel, plástico e alumínio, distribuídos em seis camadas. O papel representa cerca de 75% da embalagem, e sua celulose é extraída de florestas replantadas e certificadas (FSC) passando por um processo produtivo livre de cloro até chegar a Tetra Pak. Suas principais funções são dar suporte mecânico à embalagem e receber a impressão. Traz as vantagens ambientais de ser um recurso natural renovável e pode ser reciclado após o descarte. O alumínio representa cerca de 5% da embalagem e tem a importante função de dar proteção contra a entrada de luz, de oxigênio e de impedir a troca de aromas entre alimento e o meio externo. Ele é extraído da bauxita e na embalagem ficará entre várias camadas de plástico, não entrando em contato com o alimento. O plástico, cerca de 20% da embalagem, poderá ser encontrado em quatro camadas. Nas embalagens longa vida é usado o polietileno de baixa densidade que é extraído do petróleo. O plástico será útil para isolar o papel da umidade, impedir o contato do alumínio com o alimento e servir como elemento de adesão dos materiais presentes na estrutura. As camadas de plástico e alumínio da embalagem longa vida também podem ser recicladas após a separação das fibras de papel, sendo usadas para a produção de objetos como canetas, réguas, pente, cabides, etc. Além desses três materiais há também tinta, usada na impressão dos rótulos. Esta tinta é não-tóxica, usando a água como solvente e pigmentos orgânicos ao invés de metais para a coloração, sendo adequada para a indústrias alimentícias.
ESTRUTURA DA EMBALAGEM LONGA VIDA E SUA RECICLAGEM
A embalagem longa vida possui seis camadas que formam uma verdadeira barreira protetora, preservando o aroma e o sabor dos alimentos por meses a fio, dispensando totalmente o uso de conservantes. Todos os materiais das embalagens longa vida - papel, plástico e alumínio - podem ser reciclados. Para isso, usa-se o hidrapulper, uma espécie de liquidificador gigante que hidrata as fibras de papel, separando-as do plástico e do alumínio que se transformam em: - Papel: caixas de papelão, papel para impressão, bandejas de ovos, palmilhas de sapato, papel toalha e papel higiênico. - Plástico e alumínio: peças plásticas como vassouras, cestos de lixo, cabides, réguas, canetas, paletes, placas e telhas para a construção civil.
CAIXINHAS LONGA VIDA DEIXAM A CASA MAIS FRESCA
Uso da embalagem como isolante térmico ajuda a reduzir a temperatura nos ambientes em até 8º C
São Paulo - Caixinhas de leite que sempre vão parar no lixo podem ser reaproveitadas e transformadas em isolante térmico alternativo para residências e galpões, reduzindo a temperatura no interior dos imóveis em até 8º C.
A utilização das embalagens Tetra Pak pode ser feita de forma artesanal, pelo próprio morador, diminuindo os custos. Outra opção são as telhas feitas de caixas de Tetra Pak recicladas, vendidas com preços até 25% menores do que os materiais concorrentes. A idéia de reaproveitar as embalagens de forma artesanal virou tema de estudo na Unicamp e resultou no Projeto Forro Vida Longa - uma alusão ao leite Longa Vida.
O professor da Faculdade de Engenharia Mecânica da Unicamp e coordenador do projeto, Celso Arruda, explica que a proposta partiu do engenheiro Luís Otto Schmutzler, que juntamente com professores da faculdade desenvolveu todo o processo de aproveitamento das caixinhas de Tetra Pak para uso em habitações populares. Arruda afirma que a transformação das embalagens em isolante é simples e pode ser feita por qualquer pessoa. Como fazer O primeiro passo é abrir totalmente as caixinhas, descolando as emendas e fazendo um corte vertical para que a embalagem fique completamente plana. Em seguida, é feita a limpeza com água, sabão em pó e um pouco de desinfetante. Depois de secas, as embalagens devem ser coladas lado a lado, com cola branca ou de sapateiro, formando uma manta sobre a laje superior da casa, abaixo do telhado. Para o perfeito funcionamento do isolamento térmico, é muito importante que a manta não encoste nas telhas, deixando um espaço mínimo de dois centímetros para a circulação do ar. O professor da Unicamp diz que a manta de Tetra Pak bem aplicada tem o mesmo desempenho dos placas de alumínio (foils) vendidos no mercado, ajudando inclusive na proteção contra goteiras provocadas por falhas no telhado. A explicação está na composição das caixinhas, formadas por 5% de alumínio, 20% de plástico e 75% de papelão. O alumínio reflete mais de 95% do calor, ajudando a diminuir a temperatura interna dos ambientes em até 8º C. Baixo custo Para Arruda, as mantas de Tetra Pak são uma boa solução para favelas, habitações populares e galpões, já que a instalação tem custo muito baixo, não exige mão-de-obra qualificada e também não há compromisso com a estética. A idéia, no entanto, tem conquistado um público maior. Recentemente, a solução foi adotada pela arquiteta Consuelo Carleto na construção da nova unidade da fábrica de calçados Pé de Ferro, em Franca (SP). No projeto, as caixinhas foram coladas no seu formato original, sem serem desmontadas antes, para redobrar a proteção térmica nos 200 m² que cobrem a área administrativa da empresa. "As pessoas trabalham melhor com a temperatura agradável e os gastos com ar-condicionado diminuem bastante." Sem ir para o lixo Ainda há o lado ecológico, já que as embalagens que vão para o lixo levam dezenas de anos para se decompor nos aterros. Para incentivar a reciclagem das caixinhas, a Tetra Pak desenvolveu uma tecnologia para que fabricantes pudessem transformar o alumínio e plástico presente nas embalagens em telhas e chapas planas. A Ibaplac, localizada em Ibaté (SP), produz mensalmente 7 mil peças, entre telhas e placas, utilizando cerca de 100 toneladas de matéria-prima. "São telhas mais leves do que as de fibrocimento, mais duráveis e mais baratas", afirma o diretor industrial da empresa. Eduardo Gomes. Outras oito fábricas espalhadas pelo País fabricam esse tipo de produto. Segundo o diretor de Meio Ambiente da Tetra Pak, Fernando Von Zuben, mais de 60 mil telhas são fabricadas mensalmente. "Além de garantirem conforto térmico, as telhas custam até 25% menos do que as de amianto ou fibrocimento." A partir das embalagens, também são fabricados móveis, vassouras e uma série de produtos para casa. De acordo com Zuben, 30 mil toneladas de Tetra Pak são reciclados por ano, mas o volume corresponde somente a 20% do total produzido pela empresa. "Todas as embalagens separadas na coleta seletiva são recicladas e ainda existe uma capacidade ociosa de 40% para aumentar a reciclagem", avisa. Unicamp: 19-3788-5125 Ibaplac: 16-243-1747 Tetra Pak: 19-3879-8187 Fonte: Estadão On Line de domingo, 22 de fevereiro de 2004.

4 comentários:

Izabel C. Mello disse...

Boa tarde! achei muito interessante a reportagem. porém ficaram dúvidas. minha casa é coberta com telhas de amianto e gé muito quente, como posso utilizar esta tecnologia artesanal rsrsrr em minha residência? boto as caixinhas por fora ou dentro de casa? com o aluminio para baixo ou para cima?
grata pela atenção Izabel
dinhalinhalinda@hotmail.com

p.cm002 disse...

acesse o site www.fem.unicamp.br/-vidalong e obterá todo o esclarecimento técnico e operacional. tanbém vou revestir meu telhado dúvidas 01191949112 Boa cobertura

Anônimo disse...

ola. sou estudante do curso tecnico em meio ambinte ,todas essas infomações foram muitos importantes para o curso. obrigado

Giselle Vergna disse...

Ficamos felizes em poder ajudar. Fique a vontade para consultar o blog e assim que tiver dúvidas, contate-nos.

Abraços.


contador gratuito de visitas