sexta-feira, 15 de abril de 2011

A cabalística promessa de 522 km de ciclovias para 2012 em São Paulo

Chico Macena
vereador de São Paulo pelo PT

  
Que na cidade de São Paulo não faltam promessas e estudos de ciclovias ninguém duvida. Que de uns tempos para cá a palavra “ciclovia” vem sendo repetida como um mantra por projetistas, urbanistas, arquitetos, secretários e até pelo prefeito, isso também ninguém duvida. Mas dizer que a cidade tem, de forma documentada, no mínimo, 522 km de ciclovias  projetadas para aparecerem como mágica em 2012...sim, se eu não
soubesse,  nem eu acreditaria.

O Planos Regionais Estratégicos das 31 subprefeituras têm juntos, 367 km de ciclovias ou ciclorotas planejados no Plano Diretor Estratégico para serem todos entregues em 2012.

O Plano de Ciclovias anunciado pela Secretaria Municipal de Transporte em 2009,  beneficiará os bairros Grajaú, Jardim Brasil e Jardim Helena, com o total de 55 km,  inicialmente prometidos para 2010, foi  replanejado para o fim de 2012.

O Plano de Metas /Agenda 2012, embora Eduardo Jorge tenha afirmado que sua meta era de 1000 km de ciclovias até 2020, ele anunciou em 2008, 100 km de ciclovias para 2009, logo depois,  anunciou os mesmos 100 km, com algumas alterações de locais, entraram para o Plano de Metas /Agenda 2012 do município, prometido para tudo ser entregue, adivinha quando?  Isso mesmo, 2012.

Coincidência? Existe uma força oculta trabalhando nos bastidores para  surpreender a população e ao acordarmos em 2013 termos a disposição 522 km de ciclovias na cidade? As profecias que aparecem em todos os planos e projetos para bicicleta vão mesmo se realizar? 2012 é o ano da bike?

Ciclista, vá tomar banho de chuva, porque o banho de água fria que vamos tomar do planejamento cicloviário da cidade é mais gelado.

Todo o ano escrevo artigos e falo a mesma coisa, o executivo não faz previsões no orçamento da cidade de valores suficientes para execução destes projetos. Ano após ano, os projetos vão se acumulando, as reivindicações aumentando,  mas na hora de empenhar os fundos no orçamento da cidade para a bicicleta, o dinheiro não aparece.

Eu sempre ouço, “mas bilhões para o túnel da Roberto Marinho tem, milhões para pontes “estragadas” tem,  incentivos para indústria imobiliária tem,  milhões para os automóveis tem...” e por aí vai. Mas
não é somente a bicicleta que é prejudicada nessa falta de empenho com a qualidade de vida, pedestres e o transporte público também é deixado de lado, mas isso é pano para outra manga.

Até quando viveremos de esperança, promessas e ocultismo das ações ?

www.chicomacena.com.br

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Tirando o veneno dos cosméticos

via: Planeta Sustentável

EUA atualizam legislação do setor

Pela primeira vez em 70 anos, o Congresso americano poderá fechar brechas importantes em uma lei federal. Ela permite que substâncias químicas ligadas a câncer, doenças em bebês e fetos, dificuldade de aprendizado e outros males, sejam usados nos produtos que usamos em nossos corpos todos os dias.

Na semana passada, três deputados democratas apresentaram ao Congresso a Lei dos Cosméticos Seguros de 2010, que dá à FDA (órgão federal que regula alimentos e drogas) autoridade para garantir que produtos de uso pessoal fiquem livres de substâncias perigosas. A legislação anterior, de 1938, deixa nas mãos dos fabricantes a decisão sobre quais substâncias podiam ser usadas na indústria de cosméticos.

“Substâncias daninhas não têm lugar em produtos que colocamos em nossos corpos e de nossas crianças", disse o deputado Jan Schakowsky. “Nossas leis de cosméticos estão miseravelmente datadas, e não se pede aos fabricantes ao menos que revelem todas as substâncias nos rótulos, deixando cidadãos sem informação e expostos ao perigo. Esta lei vai finalmente proteger os consumidores".

De acordo com a Campanha Pelos Cosméticos Seguros, americanos usam em média 10 produtos de uso pessoal por dia, o que resulta na exposição a mais de 126 substâncias químicas únicas - sem contar as muitas substâncias não reveladas das chamadas "fragâncias".

“A indústria de cosméticos diz que as quantidades de substâncias potencialmente tóxicas em seus produtos são tão pequenas que não implicam em risco, mas sabemos que algumas delas podem ter grandes efeitos, mesmo em pequenas dosagens", afirma Maryann Donovan, doutora em exposição ambiental e efeitos biológicos do Centro de Oncologia Ambiental da Universidade de Pittsburgh . “Precisamos entender melhor os efeitos de curto e longo prazo para a saúde resultantes de pequenas doses de substâncias tóxicas, exposições diárias, exposição durante a gestação e no desenvolvimento infantil", diz ela, segundo o Sustainable Business.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Bolha alimentar prestes a explodir!


Lester Brown, fundador do Worldwatch Institute e do Earth Policy Institute , adverte que o mundo corre perigo com a segurança alimentar. Em seu livro mais recente, O Mundo na Beirada (World on Edge), ele fala que o planeta está à beira de aumentos de preços de alimentos politicamente desastabilizadores.

"A nova realidade é que estamos a apenas uma colheita ruim do caos", Brown disse  em uma coletiva à imprensa para o lançamento do livro. "Se uma onda de calor como a da Rússia atingir os Estados Unidos - de longe o maior exportador de grãos -, isto precipitará o caos nos mercados de grãos. O mundo está criando uma bolha alimentar que, teoricamente, pode explodir a qualquer momento".
"Estamos assistindo conflitos e manifestações como as do Oriente Médio. O impacto é particularmente duro em países que são importadores de alimentos, como os da região. Países como China e Arábia Saudita estão alugando a longo prazo grandes áreas de terra na África para produção de alimentos, porque sabem que depois do aumento de preços vem a desestabilização política", afirmou ele. 

O Worldwatch Institute, baseado em Washington, fez no mês passado uma advertência de que, se continuarem tendências observadas atualmente,  eventos extremos do clima, caso da onda de calor na Rússia - que destruiu 40% de sua colheita de grãos - irão ocorrer com maior frequência, com efeitos sentidos em todo mundo, especialmente nas regiões mais pobres.  "As fronteiras desta crise estão ocupadas pelas 925 milhões de pessoas subnutridas do planeta", disse o instituto em seu relatório anual, O Estado do Mundo, segundo o Celsias.

fonte: Planeta Sustentável

quarta-feira, 23 de março de 2011

Hora do Planeta 2011


O que é?

A Hora do Planeta é um ato simbólico, promovido no mundo todo pela Rede WWF, no qual governos, empresas e a população demonstram a sua preocupação com o aquecimento global, apagando as suas luzes durante sessenta minutos.

Quando?

Sábado, dia 26 de março, das 20h30 às 21h30. Apague as luzes para ver um mundo melhor. Hora do Planeta 2011.

Onde?

No mundo todo e na sua cidade, empresa, casa... Em 2010, mais de um bilhão de pessoas em 4616 cidades, em 128 países, apagaram as luzes durante a Hora do Planeta. Em 2011, a mobilização será ainda maior.

Veja video oficial da campanha Hora do Planeta 2011


terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

EMBALAGENS SUSTENTÁVEIS: Brasil e Alemanha trabalham em mais uma parceria estratégica

O mercado de embalagens sustentáveis produzidas com a utilização de recursos renováveis tem registrado atualmente um alto índice de crescimento. Estima-se que expansão desse mercado será de 50% até 2014, o que significaria um aumento de 32% em comparação aos dados de 2009. A indústria de alimentos, em particular, tem uma grande demanda por esses sistemas de embalagem.

Instituções de pesquisa europeias e brasileiras, sob a égide do Ano Brasil-Alemanha da Ciência, Tecnologia e Inovação 2010/11, já comecaram a trabalhar no desenvolvimento de diferentes soluções em embalagens para a indústria alimentícia, assim como suas aplicações técnicas. A iniciativa inclui o Instituto Fraunhofer IVV para Engenharia e Processamento de Embalagens da Alemanha, o ITENE - Instituto Tecnológico de Embalagem, Transporte e Logística da Espanha e o ITERG - Institut des Corps Gras da França. Da parte brasileira, participam o SENAI CIMATE, uma organização de pesquisa no campo dos polímeros e o ITAL – Instituto de Tecnologia de Alimentos.

A cooperação entre os parceiros da indústria europeia e brasileira deverá trabalhar no intuito de viabilizar a rápida implementação dos novos desenvolvimentos. Esses deverão utilizar apenas recursos renováveis, sem que haja disputa entre os produtores de alimentos e a conservação de florestas primárias. Atualmente, a maior parte das embalagens ainda utilizam películas de combustíveis fósseis, nas quais camadas de polímeros dificilmente podem ser separadas em razão da sua aplicação, limitando as possibilidades de reciclagem do produto.

A matéria prima selecionada e já utilizada no Brasil ainda não é utilizada em larga escala, apesar de oferecer grande potencial no que diz respeito aos recursos biogênicos. No entanto, isso deve mudar, pois através da utilização desses recursos não apenas se abre um novo canal de comércio para o país, como também viabiliza-se na indústria de embalagens um material com grande disponibilidade. Até o momento o acesso a materiais de origem biológica é um dos maiores problemas para o uso em larga escala.

No final do ano passado, uma delegação do Fraunhofer IVV visitou o ITAL em Campinas e o SENAI CIMATEC em Salvador, no intuito de explorar a cooperação nas áreas de produção e modificação de matéria prima vegetal, assim como o processamento de seus sistemas de embalagem. Os pesquisadores também discutiram uma subsequente caracterização dos sistemas. A viagem foi o primeiro passo para o aprofundamento da cooperação entre os institutos de pesquisa. No entanto, vale ressaltar que já existe uma proposta de financiamento de um projeto da União Europeia para o desenvolvimento de sistemas sustentáveis de embalagens.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Inauguração do Parque da Ciência, amanhã, 22/01/2011 às 9h00


A Cidade Tiradentes tem atualmente, dois parques no bairro, sendo eles: Parque da Consciência Negra, com 130,135 m² e o Parque Vila do Rodeio com 613,200 m², ambos com grande parte de sua flora, remanescente da mata atlântica. Amanhã, às 9h00 do dia 22 de janeiro, ganhará o terceiro parque.

O Parque da Ciência está localizado na Rua Argote s/n, na altura do nº 1400 da Avenida dos Têxteis, onde fica seu portão principal. Agora, os moradores do bairro poderão contar com mais 177,531 m² de área verde para o lazer. Boa parte de sua flora é de mata atlântica preservada.


fonte dos dados: www.prefeitura.sp.gov.br

contador gratuito de visitas